terça-feira, 17 de janeiro de 2012

SHOW DA FÉ

Uma grande igreja do sudoeste dos Estados Unidos instalou um sistema de efeitos especiais, que custou meio milhão de dólares, capaz de produzir fumaça, fogo, faíscas e luzes de lazer no auditório.

A igreja enviou alguns de seus membros para estudar, in loco, os efeitos especiais de Ballys Casino, em Las Vegas.

O pastor terminou um dos cultos sendo elevado ao "céu" por meio de fios invisíveis que o tiraram da vista do auditório, enquanto o coral e a orquestra adicionavam um toque musical à fumaça, ao fogo e ao jogo de luzes.

O show foi muito bonito, mas, ninguém saiu de lá arrependido de seus pecados nem com a vida transformada pelo poder de Deus!




Jesus, porém, lhes respondeu:
Errais, não compreendendo as Escrituras
nem o poder de Deus.
Mateus 22.29

Fonte: Com Vergonha do Evangelho? Quando a Igreja se Torna Como o Mundo, de John F. MacArthur Jr., Editora Fiel.
PORTA PRINCIPAL

Um pequeno comerciante, não podendo mais suportar a concorrência de uma grande loja que ficava bem ao lado da sua, teve uma idéia pouco ética:

a) Fez uma reforma em seu estabelecimento, fazendo-o ficar parecido com o interior da loja concorrente;
b) Mudou o nome da fantasia de sua empresa para "PORTA PRINCIPAL";
c) Mandou fazer uma grande placa luminosa e colocou-a num lugar bem visível.

Apesar da grande diferença entre as duas lojas, muitos desavisados acabavam entrando na porta errada, caindo no golpe, sem perceber.

É mais ou menos assim que Satanás tem atraído as pessoas à sua "Loja de Conveniências": porta larga, painel luminoso, fazendo-se passar pela porta principal, enganando os incaltos.



Disse Jesus: Eu sou a porta;
se alguém entrar por mim, salvar-se-á,
e entrará, e sairá, e achará pastagens.
João 10.9


Autoria: Pr João Ferreira da Costa.
GREVE DE LIXEIRO

Certa vez os lixeiros de Nova York fizeram uma greve e paralisaram a coleta de lixo por quase duas semanas, deixando a cidade entupida de entulho.

As pessoas foram proíbidas de colocar seu lixo nas calçadas ou de jogá-los em terrenos baldios, obrigando-se a armazená-lo em suas casas, até que a greve acabasse.

Um sujeito, malandrão, que já não tinha mais onde guardá-lo, bolou um plano para se livrar dele.

Arrumou várias caixas de papelão, comprou papéis de presentes, fitas para enfeite e também fita adesiva. Colocou seu lixo nas caixas, fez embrulhos de presentes com laços bem caprichados, pôs as caixas no porta-malas do seu carro, levou-as até uma esquina bem movimentada, deixou-as no chão e saiu.

Foi até uma lanchonete próxima, pediu um lanche, sentou-se numa mesa e ficou observando a reação das pessoas: Passavam devagar, olhavam curiosas, viravam o pescoço... até que apareceram uns corajosos que lançaram mão dos embrulhos e os levaram para suas casas.


Esta história faz-me pensar: - Quantas pessoas não estão fazendo o mesmo, não é verdade? Estão pegando o lixo deste mundo apenas porque o diabo o tem colocado em lugar visível, em embalagens maravilhosas?




Amados, exorto-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais dos desejos da carne, os quais combatem contra a alma.
I Pedro 2.11


Autor desconhecido.

sábado, 14 de janeiro de 2012

QUAL É A COR DO MUNDO?


QUAL É A COR DO MUNDO?

Um ancião descansava num banco de madeira à sombra de uma árvore, quando foi abordado pelo motorista de um automóvel:
- Bom dia, meu amigo!

- Bom dia!

- O senhor mora aqui?

- Sim, há muitos anos...

- Estarei vindo de mudança para cá e gostaria de saber como é o povo daqui.

- Deixe-me perguntar-lhe uma coisa primeiro, como são as pessoas lá da sua cidade?

- Ah! De onde venho o povo é gente boa, fraterna. Fiz muitos amigos. Só estou saindo de lá por imperativos da profissão.

- O senhor é um homem de sorte, meu filho. Esta cidade é exatamente igual a sua. Vai gostar daqui!

O forasteiro agradeceu e partiu. Minutos depois apareceu outro motorista e tem a mesma conversa com o ancião. O ancião, lançou-lhe a mesma pergunta:
- Como são as pessoas lá da sua cidade?

- Horríveis! Povo orgulhoso, cheio de preconceitos, arrogante! Não fiz um único amigo naquele lugar!

- Sinto muito, filho, você está sem sorte, pois aqui encontrará exatamente o mesmo ambiente.

Um rapaz, que a tudo assistiu, não se conteve:
- Senhor, não pude deixar de ouvir as duas conversas... como pode responder à mesma pergunta com duas respostas tão diferentes uma da outra?

- Nós vemos e julgamos o mundo a partir da nossa própria ótica, a partir do que nós mesmos somos.

Uma pessoa fofoqueira, por exemplo, de imediato enxergará todos os fofoqueiros da cidade; uma pessoa agressiva, de imediato enxergará todos os agressivos deste lugar.

O primeiro homem enxergará as pessoas boas e fraternas deste lugar; o outro, bem, enxergará os orgulhosos, os preconceituosos e os arrogantes.

A cor do mundo, portanto, depende da nossa ótica. O exterior estará sempre refletindo o que levamos no interior.




A lâmpada do corpo são os olhos;
de sorte que, se os teus olhos forem bons,
todo teu corpo terá luz.

Se, porém, os teus olhos forem maus,
o teu corpo será tenebroso.

Se, portanto, a luz que em ti há são trevas,
quão grandes são tais trevas!.
Mateus 6.22-23

Autor desconhecido.

Extraído do livro "Textos Selecionados", coletânea promovida pelo
Instituto de Desenvolvimento do Potencial Humano - IDPH

O BÊBADO EVANGELISTA

Dois amigos bebiam num bar, num sábado à noite, até não poderem mais. À certa hora, um deles, que era conhecedor da Palavra de Deus (pois fora "criado na igreja") disse para o outro:
- Ô, meu amigo, você sabia que nós dois vamos pro inferno?
- Quê é isso, meu, vira essa boca pra lá!
- Vamos, sim, cara!
- Páre com isso, meu...
- Páre com isso "ocê" vai ver. A Bíblia diz que os bêbados vão pro inferno. Eu e você somos bêbados. Então, nós vamos pro inferno. E ponto final.

Foram para as suas casas, mas, o outro, apesar de estar muito bêbado, não podia dormir. As palavras do seu amigo ficavam se repetindo em seu pensamento. Logo de manhã, mesmo de ressaca, procurou uma igreja evangélica, arrependeu-se de seus pecados, converteu-se a Cristo e nunca mais se afastou dos caminhos de Deus.

O outro, bem... o outro continuou na bebedeira.
[Fato verídico]


Quanto às bebedices, eu vos previno,
os que tais coisas praticam
não herdarão o reino de Deus.
Gálatas 5.19-21

BICICLETINHA

Certa vez fui convidado para falar durante um banquete numa sexta-feira à noite. Ao chegar em casa, de volta do seminário onde leciono, entrei com o carro na garagem e à luz do farol vi a bicicleta do meu filho Bob. Havia dias que permanecia na garagem com o pneu traseiro completamente vazio. Eu havia prometido consertá-lo, mas não encontrava tempo para fazê-lo. No dia seguinte, pela manhã, eu iria sair em viagem; por isso, ou o consertava agora ou o momento ideal nunca chegaria.

Chamei o Bob, pegamos a bicicleta e colocamos um remendo no pneu rasgado. A seguir, tomei um banho rápido, troquei de camisa e gravata e saí correndo para banquete.

Cheguei com apenas vinte minutos de atraso, mas o anfitrião já estava tendo úlceras.
- Por onde andava? perguntou ansioso.
- Perdoe-me o atraso, disse sincero, mas tive que consertar um pneu.
- Achei que seu carro era novo!
- É sim. Era o pneu da bicicleta do meu filho.

Puff! O sujeito perdeu a calma! Não poupou palavras. Rasgou o verbo, irado, insinuando que eu estava desperdiçando o precioso tempo dele e dos convidados por causa de uma bicicletinha. Quando parou para tomar fôlego, perguntei calmo:
- Já lhe ocorreu alguma vez, meu amigo, que para mim é muito mais importante consertar a bicicleta do meu filho do que participar do seu banquete?

Não muito tempo depois deste incidente, e u e o Bob jogávamos bola num parque quando lhe perguntei:
- Diga-me a verdade, filho, você me ama?
- Te amo demais, pai! respondeu ele.
- Fico feliz em ouvi isto. Mas por que você me ama?
- Porque jogamos bola juntos e você conserta a minha bicicleta.




Amai-vos ardentemente uns aos outros
com um coração puro.
I Pedro 1.22


Fonte: Aprenda a mentorear, de Howard Hendricks (pg. 15), Editora Betânica.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

ELE FOI FERIDO

Um homem andava tão profundamente perturbado com os seus pecados que, certa noite, teve um sonho em que via Jesus sendo brutalmente chicoteado por um soldado.

A cada golpe cruel que atingia as costas de Cristo, ele podia ver com muita nitidez as novas e terríveis marcas que se somavam às anteriores.

Não podendo mais suportar a cena, agarrou o soldado por trás, tentando impedir que ele baixasse o braço para aplicar o próximo acoite.

Neste momento o soldado virou-se para e, para seu espanto, o rosto que ele viu era o seu próprio rosto.



Ele foi ferido pelas nossas transgressões
e moído pelas nossas iniqüidades;
o castigo que nos traz a paz
estava sobre Ele,
e pelas Suas pisaduras fomos sarados.
Isaías 53.5
PORTAS ABERTAS

Foi em Glasgow, na Escócia, que esta história se passou.

Uma adolescente fugiu de casa para viver "sua" liberdade, mas logo caiu na realidade da vida. Sem dinheiro para se manter e sem coragem de voltar para casa, acabou por entrar no mundo da prostituição.

Os anos se passaram, mas, apesar da saudade dos pais, ela nunca mais tentou qualquer contato com eles.

Seus pais sempre a procuraram, em vão, porém, desde a morte do seu pai (que ela nem ficou sabendo), sua mãe intensificou as buscas, deixando um cartaz de "Procura-se" em qualquer lugar onde lhe permitissem.

Neste cartaz a mãe havia colocado sua própria foto, escrito embaixo: "Eu ainda amo você. Volte para casa".

Os meses se passaram sem qualquer notícia, até que um dia, numa fila de sopa para pessoas carentes, a moça viu a foto da sua mãe, que apesar de ter envelhecido bastante, ainda conservava o mesmo olhar que ela guardava em suas lembranças.

Não pode conter a emoção e, naquele dia mesmo, voltou para casa. Era tarde da noite quando chegou. Tímida, ela se aproximou da porta. Ia bater, mas ela se abriu sozinha.

Entrou assustada, apavorada com a idéia de que algum ladrão tivesse invadido a casa e "sabe lá Deus o quê" poderia ter feito.

Correu para o quarto e viu sua mãe dormindo. Acordou-a. Ambas choraram muito. Abraçaram-se. Reconciliaram-se.

Lembrando-se da porta aberta, a moça disse:

- Puxa, mãe, levei um susto tão grande quando cheguei.

- Por que, minha filha?

- É que a porta da frente estava aberta e eu pensei que algum ladrão tivesse invadido a casa. Você precisa tomar mais cuidado, mãe. Não pode mais esquecer a porta aberta.

- Não meu amor, você não está entendendo. Eu não esqueci a porta aberta. Desde o dia em que você foi embora, esta porta nunca mais foi fechada.




E, [o filho pródigo] levantando-se, voltou para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou.
Lucas 15.20


Do livro "Histórias para Aquecer o Coração das Mães", de Jack Canfield, Mark Victor Hansen, Jennifer Read Hawthorne e Marci Shimoff. Editora Sextante.
Jesus e as crianças

Um casal de ateus tinha uma filha a quem jamais haviam dito uma palavra sequer sobre Deus.

Uma noite, quando a menina contava com seus 5 anos de idade, em meio a uma briga, o pai atirou na mãe, na frente da criança, e depois se matou.

A menina assistiu a tudo. Após a tragédia, ela foi mandada para um orfanato que era cuidado por uma senhora cristã muito devota, que resolveu “apresentar” Jesus para a menina.

Na primeira oportunidade, aquela mulher mostra uma gravura onde Jesus é representado ao lado de crianças. Ela pergunta: - Alguém aqui sabe me dizer quem é este homem?

E, para sua surpresa, aquela menininha que nunca tinha ouvido falar de Jesus, levantou a mãozinha e disse: - Eu sei!

A mulher, então, pergunta-lhe: - Você o conhece?

- Sim, responde a menina, é o homem que estava me segurando no colo no dia que meus pais morreram.

" Então lhe trouxeram algumas crianças para que lhes impusesse as mãos, e orasse; mas os discípulos os repreenderam. Jesus, porém, disse: Deixa as crianças e não as impeçais de virem a mim" - Mateus 19.13-14.


História contada como verídica.
Autor desconhecido.