terça-feira, 28 de agosto de 2012

QUESTÃO DE PONTUAÇÃO

Evangelistica QUESTÃO DE PONTUAÇÃO Um homem rico estava muito mal, pediu papel e pena e escreveu assim: "Deixo meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres." Morreu antes de fazer a pontuação. A quem deixava ele a fortuna? Eram quatro concorrentes. 1) O sobrinho fez a seguinte pontuação: - Deixo meus bens à minha irmã? Não! - A meu sobrinho. - Jamais será paga a conta do alfaiate. - Nada aos pobres. 2) A irmã pontuou assim o escrito: - Deixo meus bens à minha irmã. - Não a meu sobrinho. - Jamais será paga a conta do alfaiate. - Nada aos pobres. 3) O alfaiate puxou a brasa pra sardinha dele: - Deixo meus bens à minha irmã? Não! - A meu sobrinho? Jamais! - Será paga a conta do alfaiate. - Nada aos pobres. 4) Aí veio a interpretação dos pobres: - Deixo meus bens à minha irmã? Não! - A meu sobrinho? Jamais! - Será paga a conta do alfaiate? Nada! - Aos pobres. Assim é a vida. Nós é que colocamos os pontos. E isso faz a diferença. "A noite é passada, e o dia é chegado; dispamo-nos, pois, das obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz. Andemos honestamente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja". Romanos 13.12-13.

VOCÊ SABE ONDE DEVE ESTAR

Evangelistica VOCÊ SABE ONDE DEVE ESTAR Don Wilkerson conta que, quando com dez anos, ele e um amigo estavam jogando futebol na rua em frente de sua casa. Era de noitinha e em dado momento sua mãe apareceu dizendo: - Está na hora de entrar e arrumar-se para ir à igreja. Mas ele simplesmente a ignorou e continuou jogando. Por fim, disse à sua mãe: - Hoje eu não vou. A mãe ficou parada, encarou o menino e falou: - Bem, você sabe onde deve estar. E tendo falado isto, entrou. Seus pais o haviam permitido praticar esporte, mas ensinavam e exigiam que a igreja viesse em primeiro lugar. Ainda assim ele foi assistir um jogo de futebol da escola, mas não conseguiu se divertir, pois sua consciência "latejava" feito um luz vermelha piscando. A voz de sua mãe ficava se repetindo em seu pensamento: - Bem, você sabe onde deve estar. Acabou saindo do jogo e foi para a igreja. Imediatamente a irritante luzinha vermelha de sinalização da consciência apagou-se e ele voltou a se sentir bem outra vez. Agora sabia onde estava: Estava no centro da vontade de Deus! Don Wilkerson: Diretor Executivo do Global Teen Challenge. Co-Fundador do ministério Desafio Jovem, juntamente com seu irmão David Wilkerson - autor do Best-Seller "A Cruz e o Punhal". Nos seus 40 anos de ministério, Don Wilkerson é autor de muitos livros, dentre eles: "A Cruz ainda é mais forte que o punhal", "A uma jarda do inferno", "Aconselhamento pelas Escrituras" e "Chamado para o outro lado". Buscai em primeiro lugar o reino de Deus. Mateus 6.33

TRABALHO EM EQUIPE

TRABALHO EM EQUIPE Um sábio tinha três filhos jovens, inteligentes e ávidos por sabedoria. Certa vez, quando os três rapazes estavam discutindo sobre quais seriam os principais obstáculos ao sucesso de um trabalho coletivo, seu pai os chamou e confiou-lhes uma importante tarefa, levar ao príncipe governante três presentes. O primeiro levaria um vaso muito precioso. O segundo levaria uma corça rara. O terceiro levaria um bolo primoroso, receita da família. O trio recebeu a missão com entusiasmo, mas, no meio do caminho, começaram a discutir. O que levava o vaso não concordava com a maneira como o irmão puxava a corça delicada; o responsável pelo animal dava instruções ao carregador do bolo, a fim de que não tropeçasse; este, por sua vez, repreendia o portador do vaso valioso, com medo que ele o deixasse cair. Em dado momento, o que conduzia a corça estendeu a sua mão a fim de consertar a posição da vaso, que, premido pelas inquietações de ambos, escorregou de súbito, espatifando-se no chão. Com o choque, a corça fugiu espantada. O carregador do bolo, ao tentar deter o animal, deixou o bolo cair. Desapontados e irritados, os três rapazes voltam à presença do pai, apresentando cada qual a sua queixa, culpando uns aos outros pelo desastre. O sábio, porém, sorriu e disse-lhes: - Aproveitem este incidente e aprendam: O sucesso de um trabalho em equipe depende de muitas coisas: a) Que não se perca o senso coletivo; b) Que um não invada a área do outro, se não lhe for solicitado; c) Que cada um faça a sua parte do melhor jeito possível; d) Que cada um valorize, respeite e considere o trabalho do outro. Consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras. Hebreus 10.24