domingo, 4 de agosto de 2013

Evangelistica
A sentença de crucificação dada pelo Império Romano a Jesus está sendo recorrida por um advogado queniano, que diz ter a intenção de reparar a justiça no caso histórico, e que deu base ao surgimento da fé cristã.
“A acusação parcial e maliciosa [feita contra Jesus] violou seus direitos humanos”, disse Dola Indidis, advogado que é ex-porta-voz do Ministério da Justiça do Quênia.
O advogado ressalta que sua iniciativa não tem ligação direta com sua fé, e que o resultado da sua ação não mudará em nada o que crê, mas entende ser necessário que o caso, visto por ele como uma “má conduta judicial, abuso de poder, preconceito e injúria” por parte de Pôncio Pilatos, seja revisto.
Embora historiadores e até teólogos tenham uma visão semelhante à do advogado, o pedido de Dola Indidis ao Tribunal Internacional de Justiça, em Haia, foi tratado em tom de piada por veículos de imprensa de todo o mundo.
Como é um caso de mais de 2000 mil anos e envolve, além do próprio Cristo, um império que não existe mais, é possível que o caso não siga adiante. A primeira tentativa, falha, do advogado aconteceu em 2007, no Tribunal Superior do Quênia, na cidade em Nairobi, e o caso não foi levado adiante.
Segundo informações Shalom Life, o líder religioso queniano Maloba Wesonga, porta-voz da Arquidiocese de Nairóbi, classificou como inútil o esforço do advogado: “Como sabemos, esse julgamento tinha que acontecer. Devemos entender que Jesus não era vulnerável e ninguém pode querer fazer justiça a Deus”, destacando a questão a partir do ponto de vista teológico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário